The Biding of Isaac Reabirth
Indie PC

The Binding of Isaac: Rebirth (PC)

Informações Técnicas

Desenvolvedor: Nicalis Inc., Edmund McMillen
Distribuidora: Nicalis Inc.
Lançamento: 4/Nov/2014
Steam: https://store.steampowered.com/app/250900/The_Binding_of_Isaac_Rebirth/

Tem conquistas? Sim.
Tem cartas? Sim.

Outras plataformas: New Nintendo 3DS, Nintendo Switch, PlayStation Vita, PlayStation 4, Wii U, Xbox One.

Controle Isaac, um garoto que está fugindo de sua mãe, se escondendo no porão. O motivo? A mãe dele é uma fanática religiosa que quer sacrificá-lo.

  • The Biding of Isaac Rebirth

Considerações finais – Analisando a obra como um todo

Gráficos
A arte do jogo é bem simples, diria que até é meio feia em alguns aspectos.
As CGs são bem simples, dão um certo de ar de baixo orçamento.

No entanto, todo fodendo item traz alguma mudança na aparência do Isaac. Isso demonstra bastante detalhismo, pois existem incontáveis combinações de itens, cada uma tornando Isaac único.

De tudo, acho que é o ponto mais fraco do game mas que depois de algum tempo jogando eu nem passei a me incomodar mais.

 

UI e HUD
A princípio, os menus são bem explicativos mas ao olhar com um pouco mais de atenção comecei a notar alguns probleminhas de UX.
O jogo peca na área do inventário, pois mostra apenas os itens desbloqueados. Seria legal se houvesse uma descrição do que cada um dele faz, até porque são 341 itens no total. É muita coisa para decorar, aconteceu diversas vezes de pegar itens ruins por não me lembrar do que ele fazia.

Outro problema é durante o gameplay. Ao pegar um item, nem sempre a descrição exibida diz o que ele faz. Muitos deles trazem uma descrição mais poética (ou enigmática) do que informativa.
Você vai ter que aprender praticamente tudo na tentativa e erro. E olha que têm itens que até hoje eu não entendi direito o que fazem.

 

Trilha Sonora e sons
Eu acho a trilha sonora boa demais! É bem sinistrona e com uma ótima equalização, mesmo se você for jogar sem um headphone.

Jogue algumas horas e lhe darei a certeza que nunca mais esquecerá a mãe fanática gritando “ISAAC!” ou a música de transição entre fases. Acho que isso por si só já demonstra o quão envolvente a sonoplastia ficou.

 

Jogabilidade
Um roguelite bem difícil de controlar e meio confuso de entender como funciona, mas que na tentativa e erro você aprende (aos poucos ainda tô descobrindo os macetes de cada sala).
Seu objetivo é ir cada vez mais fundo no porão… e cada mapa será gerado proceduralmente (ou seja, nada se repetirá, é tudo aleatório).
No exato momento que escrevo esta análise, estou com 39 horas jogadas e fiz apenas 5 finais (sendo que hoje mesmo consegui fazer o final 12, [ads_blur_spoiler]que é desbloqueado ao matar Satã![/ads_blur_spoiler]). Ao todo são 16 finais, mas demorei por volta de umas 15 horas para desbloquear o prólogo (kkkkrying).

Evito ao máximo consulta a wiki, pois quero ir aprendendo com a experiência. Porém, existem coisas no jogo que não são muito explicativas (eden, seeds, efeito de itens, etc…) e acabei tendo que recorrer a esse tipo de ajuda.

Existem inúmeros itens para desbloquear, assim como personagens e chefes.
E a sensação que tenho tido é que quanto mais você joga, menos difícil o jogo vai ficando. Você começa a perceber alguns padrões [ads_blur_spoiler](como a rocha de cor levemente acinzentada que ao explodir lhe dá um soul heart)[/ads_blur_spoiler] e a tomar decisões mais eficientes (afinal, por ser um roguelite, é bem comum ter partidas que você só consegue pegar itens ruins).

Espere por um jogo macabro, escatológico (é merda e verme pra todo lado), gore e bem satânico.
Macabro ao ponto do seu tiro ser suas lágrimas, pois Isaac chora o tempo todo. Eu achei isso bem assustador, na moral.
Inimigos que gemem sinistramente, são feios e deformados… um show de horrores e bizarrices.

 

Replay e retenção
Retenção infinita, sem zueira.
É MUITO conteúdo para desbloquear, quanto mais você joga, mais quer jogar. A curiosidade para desbloquear todos os finais e a sensação de casualidade das partidas tornam esse jogo bem único.

Além do modo história, há também o modo challenge, no qual você deve fazer uma run até o final com um personagem com habilidades e itens específicos.
Alguns são bem complexos e por ser trazerem desafios que fogem do padrão do modo história, acabam sendo uma forma de não enjoar do game.

The Binding of Isaac é muito viciante, acreditem em mim.
Aah e se preparem para morrer e passar raiva.

Deixe um comentário